Miquel Bernart actua na Semana da Música em Natal (Brasil)

miquel-bernart-brazil

O famoso percussionista Miquel Bernart é um dos muitos artistas que participam na edição 2013 da Semana da Música, um evento promovido anualmente pela Escola de Música da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Esta instituição pública de ensino superior brasileira com sede na cidade do Natal, no estado do Rio Grande do Norte, vai acolher dezenas de músicos convidados na Semana da Música, que foi criada com o objetivo de dar visibilidade à produção artística da Escola de Música da UFRN e para fomentar o intercâmbio entre músicos, estudantes e profissionais da área de todo o Mundo.

Nesta actuação, Miquel Bernart vai tocar com o modelo desenvolvido com a MISSOM intitulado Requeta e com um protótipo de baquetas multipercussão criado em parceria com a MISSOM®, num novo modelo que será lançado em breve na nossa Loja Online.

O percussionista espanhol vai actuar no dia 11 de Outubro. Podem conferir o Programa completo ou participar no mesmo Evento criado no Facebook.

Biografia Miquel Bernart

Miquel Bernat nasceu em Benisanó (Valência) e é um dos mais destacados vultos internacionais da percussão. Músico de grande versatilidade, tocou com a Orquestra Ciutat de Barcelona (1988-1991) e com a Orquestra do Real Concertgebouw de Amesterdão, além dos grupos de música contemporânea Ictus Ensemble, Quarteto Ictus de Bruxelas e Duo Contemporain de Roterdão, entre outros.

Professor nos Conservatórios Superiores de Música de Roterdão e Bruxelas, tem desenvolvido um intenso trabalho pedagógico na Escola Superior de Música do Porto e na Escola Profissional de Música de Espinho, tendo sido convidado para leccionar na Universidade de Aveiro External Link e na Escola Superior de Música da Catalunha. Miquel Bernart também foi o fundador no Porto dos Drumming – Grupo de Percussão, com o qual dirigiu numerosos concertos em Portugal, Espanha, França, Bélgica, Alemanha e Brasil.

Anúncios

Nico Arnicho demonstra Cajons made in MISSOM®

Nico Arnicho, o famoso percussionista oriundo do Uruguai, demonstra nestes dois vídeos como usar os Cajons construídos pela MISSOM®.

É um grande prazer para nós apresentar os nossos instrumentos através de artistas tão valiosos como Nico Arnicho, a quem agradecemos a generosidade. Esperamos que você possa desfrutar dos vídeos!

Parte 1

Parte 2

Nico Arnicho demonstrates Cajons made in MISSOM®

Nico Arnicho, a famous percussionist from Uruguay, demonstrates in these two videos how to use the Cajons made in MISSOM®.

It’s a great pleasure for us to introduce our instruments by such valuable players like Nico Arnicho, to who we send our best regards for his generosity. We hope that you can enjoy the videos!

Part 1

Part 2

Drumsticks as musician requires

Missom-repor-slider

MISSOM® is for many people a name totally unknown. For others is a custom tool. We speak of a Portuguese brand created by Miguel Ralha, dedicated to the creation of drumsticks to drums and other musical instruments. Come with us and discover this musical universe.

By pronouncing the word drumsticks the image of the two “wood sticks” used to play drums arises immediately. There are those who say that they are an extension of the arms of drummer, however, not everyone knows that the simple design of these simple “sticks” – that can have different sizes, weights and thicknesses – can be much more complex than at first imagined view.

Let’s go to the discovery of MISSOM ®, a manufacturer of this tool so precious to the drummers, in Rua dos Navegantes, 73 in the city of Porto, Portugal.

Miguel Ralha, pioneer in creating custom drumsticks for percussion

Miguel Ralha, pioneer in creating custom drumsticks for percussion

To receive us is Miguel Ralha, craftsman and flute teacher in Gambozinos – Cultural Association. His journey began in 1978 as a craftsman, where he worked in various areas inside the craft. Music has always occupied a place in his life, having already played in groups like TocáRufar and Roda Viva. In fact, Miguel Ralha began teaching flute at age 15.

The request of friends and musicians to build some instruments led him to join the craft of music. A fusion which subsequently threw a new challenge: the creation of drumsticks to play drums. Uniting his own two vocations, Miguel Ralha with MISSOM® fulfill the project of a lifetime with preference for wooden instruments because it believes they are the best for student learning.

As recalled by Miguel Ralha, it all begin with the proposal of the musician Miguel Bernat, responsible for Drumming. “He had conceived some sticks that did not exist in the market and gave me the challenge to be the one to do them,” he says.

For at least one year, they both developed an intensive research prototypes until they reach the final model.

Neither the craftsman, not the musician, realized whatever was the work to build drumsticks. “The only thing Miquel Bernat knew is what he wanted in terms of performer, but he had no idea how it’s constructed or what kind of wood we would use,” confesses Miguel Ralha. Finally, the model was calculated and from it emerged other variants.

According to the explanation, the drumsticks of Miquel Bernat to multipercussion are used by him and Drumming in contemporary classical repertoire. Beyond the model Drumming, they also created “the model Tactus which are extremely stringent and designed to box orchestra and the model Hibrid that have a multifunctionality that makes a model two in one”, he explains. This was the first step to start MISSOM® brand.

Missom-repor (16)

And curiosity imposes itself: why this name?

In a short and objective answer Miguel Ralha unraveled the mystery. “It was decided on a meeting of friends. On the one hand, as I call Miguel, friends and students call me Mi. The sound suggests the sound of the note Mi, then MISSOM. On the other side, and thinking about the possibility of internationalization, is a word that allows you to be read in any language.”

Baquetas à medida de cada músico

Missom-repor (12)

MISSOM® será para muitos um nome totalmente desconhecido. Para outros uma ferramenta personalizada. Falamos de uma marca portuguesa criada por Miguel Ralha, que se dedica à criação de baquetas de bateria e instrumentos musicais. Vamos à descoberta deste universo musical.

Ao pronunciar a palavra baquetas a imagem dos dois “pauzinhos” de madeira utilizados para tocar bateria surge no imediato. Há quem afirme que são o prolongamento dos braços do baterista, no entanto, nem toda a gente saberá que a concepção destes simples “pauzinhos” – que podem ter diferentes tamanhos, pesos e espessuras – pode ser bem mais complexa do se imagina que à primeira vista.

Vamos à descoberta da MISSOM®, um fabricante desta ferramenta tão preciosa para os bateristas, na Rua dos Navegantes, 73 na cidade do Porto, Portugal.

Miguel Ralha, pioneiro na criação de baquetas personalizadas para percussão

Miguel Ralha, pioneiro na criação de baquetas personalizadas para percussão

Para nos receber está Miguel Ralha, artesão e professor de flauta, nos Gambozinos – Associação Cultural. O percurso como artesão começou em 1978, onde dentro do artesanato trabalhou em várias áreas. A música ocupou desde sempre um lugar na sua vida, tendo já tocado em grupos como os TocáRufar e Roda Viva. Miguel Ralha começou a dar aulas de flauta aos 15 anos. A solicitação de amigos e músicos para a construção de alguns instrumentos levou-o a juntar o artesanato à música. Uma fusão que, posteriormente, o lançou num novo desafio: a criação de baquetas para bateria. Unindo as duas vocações, Miguel Ralha executa na MISSOM® o projecto de uma vida com preferência para os instrumentos de madeira, pois entende serem os melhores para a aprendizagem dos alunos.

Como recorda Miguel Ralha, foi a partir da proposta de Miguel Bernat, responsável pelos Drumming, que tudo começou. “Ele tinha idealizado umas baquetas que não existiam no mercado e lançou-me o desafio de ser eu a fazê-las”, revela.

Durante um ano desenvolveram uma pesquisa intensa de protótipos até chegarem ao modelo final, sendo que nem o artesão, nem o músico, percebiam o que quer que fosse sobre baquetas. “O Bernat apenas sabia o que queria em termos de executante, mas não fazia a mínima ideia de como é que se construíam ou que tipo de madeira deveríamos utilizar”, confessa. Finalmente, o modelo foi apurado e a partir dele surgiram outras variantes.

De acordo com a explicação, as baquetas do Miguel Bernat são de multipercussão usadas por ele e pelos Drumming num repertório erudito contemporâneo. Além do conjunto Drumming foram ainda criadas, “as Tactus que são extremamente rigorosas e concebidas para caixa de orquestra e as Hibrid que têm uma multifuncionalidade que as torna num modelo dois em um”, explica. Estava assim dado o primeiro passo para o arranque da marca MISSOM®.

Missom-repor (8)

E a curiosidade impõe-se: porquê este nome?

Numa resposta curta e objectiva é-nos desvendado o mistério. “Foi decidido numa reunião de amigos. Por um lado, como me chamo Miguel, os amigos e alunos tratam-me por Mi. O som sugere o som do Mi, logo MISSOM. Por outro, e pensando na possibilidade de internacionalização, é uma palavra que permite ser lida em qualquer língua”.

Wood, extent and time of life of drumsticks MISSOM®

wood

The choice of wood is one of the fundamental steps for the design of drumsticks. A wrong choice may compromise all the work that follows. The ash and rosewood are the basis of the production line of drumsticks MISSOM®, however, there is space for experimentation with other materials such as, for example, cherry wood or Ipê wood.

According to Miguel Ralha, “the ash is used for drumsticks of multipercussion such as snarde drums and skins. The rosewood for drums of Jazz and Orchestra”.

Also because the job requires raw material quality, investment is great and sometimes it is tempting to try to enjoy a little more of the wooden plank that often comes still with bark edges to the workshop of Miguel Ralha.

When this happens and the term thinking “this will do” is pronounced the work stops immediatly. “This will do” means “a big mistake” and does not worth risking and compromising the quality of the final product.

When we speak of woods there is also the need to define the measures and by extension the weight that each pair of drumsticks may have, still allied to the personal taste of each musician. If there are those who prefer longer drumsticks and heavy, there are others who prefer drumsticks shorter and lighter. The same goes for the time of life of this valuable tool can have. Some lasts a lifetime, others just about 30 minutes. Everything depends on the performer, repertoire and instruments played.

Madeira, medidas e tempo de vida das baquetas

Silhouette

A escolha das madeiras é um dos passos fundamentais para a concepção das baquetas, pois uma escolha errada poderá comprometer todo o trabalho que se segue. O freixo e o pau-santo constituem a base da linha produtiva das baquetas MISSOM®, no entanto, há espaço para a experimentação com outros materiais, como, por exemplo, a cerejeira ou a madeira Ipê.

Segundo explica Miguel Ralha, “o freixo utiliza-se para baquetas de multipercussão, como as de caixa e peles. O pau-santo para baterias de Jazz e orquestra”.

Também porque o trabalho exige matéria-prima de qualidade, o investimento é grande e, por vezes, existe a tentação de tentar aproveitar um pouco mais da prancha de madeira que muitas vezes chega à oficina de Miguel Ralha ainda com casca nas extremidades.

Quando este pensamento acontece e o termo “isto passa” é pronunciado o trabalho pára. “Isto passa” significa “asneira” e não vale a pena comprometer e arriscar a qualidade do produto final.

Quando falamos em madeiras surge também a necessidade de definir as medidas e por inerência o peso que cada par de baquetas pode ter, aliadas ainda ao gosto pessoal de cada músico.

Se existem aqueles que preferem baquetas mais compridas e pesadas, outros há que preferem baquetas mais curtas e leves. O mesmo se passa com a duração que esta ferramenta preciosa pode ter. Ou dura uma vida ou 30 minutos. Tudo depende do executante, repertório tocado e instrumentos utilizados.